Na próxima terça-feira, dia 10 de abril, será realizado o Terças na Sociedade, desta vez com o tema: “Sonhos: de Freud a Bion”.

*Obs: inscreva-se pelo site da SBPRP:

http://www.sbprp.org.br/site/eventos_show.php?id=47

Sonhos: de Freud a Bion

por Maria Bernadete Amêndola Contart de Assis, Membro efetivo com funções didáticas da SBPRP

O tema escolhido pela Comissão Organizadora do “Terças na Sociedade” é muito criativo porque contempla, a um só tempo, um dos pilares fundamentais da teoria e técnica psicanalíticas – os sonhos – e também os movimentos de ampliação da teoria e da técnica, quando propõe o percurso de Freud a Bion.

De fato, as diferentes abordagens ao sonho, elaboradas pelos principais autores em Psicanálise, contribuem para que possamos acompanhar as mudanças que foram ocorrendo ao longo do desenvolvimento teórico-clínico da Psicanálise. Assim, encontramos em Freud a ideia de que a  interpretação dos sonhos é a “via régia” para o conhecimento do inconsciente, ou seja, a partir do conteúdo manifesto do sonho e por intermédio das associações livres do paciente, pode-se alcançar o conteúdo latente, inconsciente, que produziu o sonho. A teoria kleiniana, especialmente a partir da teorização sobre processos de simbolização e identificação projetiva, abre o campo para tratar das funções dos sonhos, tanto no desenvolvimento mental como na relação analista-analisando. Em Bion encontramos a ideia de que para além do sonho existe o sonhar, como parte do funcionamento mental, no sono e na vigília, bem como o sonhar a experiência emocional vivida na sessão de análise.

Tais movimentos teóricos implicam em novidades técnicas relevantes, como resume Nosek, quando afirma que os analistas passaram de decodificadores de sonhos para construtores de sonhos e, ainda, que se em Freud o sonho é ponto de partida (para alcançar o inconsciente), em Bion o sonho é ponto de chegada (que revela o trabalho do inconsciente). As ideias de Ogden também colaboram nessa discussão, com sua metáfora de terrores noturnos, pesadelos e sonhos para dizer sobre a análise como ampliação da condição de sonhar.

Assim, tomando como mote principal os sonhos, pretendo criar oportunidade nesta apresentação, para pensarmos juntos a Psicanálise como área do saber em constante movimento de ampliação e aprofundamento.