> Clique aqui para fazer sua inscrição. Vagas limitadas!

Àqueles que se embrenham pelos campos férteis e misteriosos da psicanálise, a trajetória de Édipo continua levando adiante. Freud se apoiou em alguns mitos, por considerá-los substratos filogenéticos da alma humana, mas especialmente e apaixonadamente em Édipo, sem saber o quanto este rei mítico ainda teria a nos contar, o quanto nos apontaria para nossos enigmas, singularidades e verdades. Freud partiu de seus próprios sonhos e lembranças, assim como de suas primeiras experiências de escuta analítica e privilegiou a experiência psíquica de amor, incesto e parricídio. Seguindo adiante, Klein lança um olhar para um primeiro desejo humano, o seio. O mito edípico nasceria da condição de incluir um terceiro que traz novos elementos essenciais para a vida psíquica e para as relações. Bion, por sua vez, privilegia, em Édipo, o sofrido e catastrófico encontro do eu consigo mesmo, a dimensão do mistério que somos para nós mesmos e a atitude de reverência ou de desprezo por nossas verdades.

Eis aqui um pouquinho do percurso que faremos neste encontro com Cristina Franciscato e Maria Aparecida Sidericoudes Polacchini, tendo como bússola e inspiração Édipo Rei de Sófocles. A riqueza de sentidos e metáforas contidas em Édipo, por suas inquietações, perguntas, angústias e descobertas, oferece novos e amplos olhares para o mito, contribuindo para juntos pensarmos a experiência humana em seu caminho de conhecimento de si.

Venha conosco para enriquecer ainda mais nosso encontro!